LADEIRA DESLIZANTE

Certo período da minha trajetória jornalística, época que se primava por lindas crônicas (temas reais ou imaginários), relatos de fatos do dia a dia (artigos extensos), havia, entre nós, pensadores que defendiam uma linha ”sintetizada” e os estimuladores de imagens que reverberavam: ”uma imagem vale mais do que mil palavras”.

E todos estavam certos!

Eram pensadores, daquele presente, prenunciando aquilo que sobreporia no cotidiano do futuro.

Palavras, palavras, palavras, quantas palavras expostas ao léu?

– Com certeza, dezenas (quiçá, centenas, milhares) entre milhões.

Xô, saudosismo!

VAMOS ZIGUEZAGUEAR?
– Então vai, vai, vai,
vai ziguezagueando!

SÁBADO DE ALELUIA
”Malhação de Judas”?
– ”Deixa isso pra lá”!

Mas, se for entrar na ”onda”,
cuidado para não malhar
o ”JUDAS CERTO”!
Além de que, já se passaram mais de dois mil anos e, cá pra nós, qual foi o dia que o ”Iscariotes” esteve ausente?